Ozonioterapia

 

Sabe aquela sensação de “por que eu não pensei nisso antes?”. Então, é assim que todo dentista se sente ao conhecer com mais detalhes a Ozonioterapia. Sem qualquer exagero, podemos dizer que esta técnica é simplesmente – e literalmente – um divisor de águas na Odontologia,  e na medida que começamos a trabalhar com o Ozônio na rotina da clínica odontológica, a Ozonioterapia passa a ser fundamental e indispensável em todo e qualquer procedimento da Odontologia, seja em tratamentos odontológicos mais tradicionais como o tratamento e prevenção de cáries ou implantes dentários, por exemplo, mas também em trabalhos de Estética Dental. 

O que faz da Ozonioterapia algo realmente incrível? Falando apenas de seus benefícios tornaria esse texto ficaria longo demais. Por isso vamos resumir e dizer  que o Ozônio possui quatro grandes propriedades:

  • Ação Antimicrobiana: falando bem na linguagem do paciente, a Ozonioterapia dá uma espécie de “turbinada” no tratamento de infecções, e ao combater com microrganismos, fungos e bactérias, o Ozônio pode ser utilizado para ajudar a combater o principal inimigo dos dentes: as cáries; o que por si só já é uma ajuda e tanto. Mas esta primeira propriedade não para por aí. Com esta ação de combate ao microorganismos o Ozônio pode ser utilizado também para oferecer mais segurança aos pacientes no consultório odontológico, desde a lavagem e preparo dos instrumentos odontológicos até a profilaxia dos dentes em um procedimento de limpeza feito pelo dentista. Com a Ozonioterapia a Biossegurança atinge outro patamar, algo que já era extremamente importante e se tornou ainda mais essencial após a pandemia COVID-19. E além da biossegurança a eficiência dos tratamentos dentários passaram para outro nível com a ajuda do Ozônio, e não só limpezas de rotina, mas até tratamentos bem mais complexos como a Endodontia (tratamento de canal) tornam-se muito mais efetivos, eficazes e até mais rápidos com o belo “empurrãozinho” que a Ozonioterapia, não só na irrigação dos canais durante todo o procedimento, mas também ajudando e muito no processo de desinfecção.  Ainda falando em infecções, em casos de dentes que foram parcialmente destruídos por cáries e que passarão por restaurações, a água ozonizada para a higienização do “buraco” deixado pelas cáries antes da reconstrução do dente aumenta consideravelmente as chances de sucesso do procedimento. Para que você entenda ainda melhor a revolução que é a Ozonioterapia, basta dizer que a maioria dos problemas dentários e doenças na boca são ocasionadas por infecções por micróbios, e o Ozônio atinge em cheio esse problema. Entender isso já deveria ser o suficiente para não imaginar mais a Odontologia sem o Ozônio, mas ainda tem muito mais! 
  • Ação anti-inflamatória: acabamos de falar sobre as inúmeras vantagens da Ozionoterapia para evitar infecções por microorganismos, mas quando o “estrago” já está feito e a prevenção não foi feita, o Ozônio também ajuda muito em tratamentos contra inflamações bucais, em especial na gengiva. Sendo complementar importante nos tratamentos de todos os tipos de inflamações, desde as mais simples na gengiva, passando pela doença periodontal, podendo ser auxiliar determinante no sucesso de tratamentos mais complexos, até em necroses.
  • Ação analgésica: inflamações e infecções só podem dar em um resultado: dor! E mais uma vez quando a prevenção não foi feita ou não foi suficiente e é preciso remediar, o dentista pode contar com a eficiência e eficácia da Ozonioterapia! Seja em forma de gás aplicado com injeções subcutâneas, em gel ou como água ozonizada, a ação analgésica e anti-inflamatória da Ozonioterapia é, de fato, um “divisor de águas” na Odontologia! O ozônio é um gás instável e por isso, capaz de induzir o organismo a librar radicais livres que promovem uma espécie de “pausa” nas terminações nervosas do local específico a ser tratados, o que acaba eliminando a dor no local onde foi realizado o tratamento. Na prática, imagine uma pessoa em plena crise de dor provocada pela Disfunção da ATM onde mal consegue abrir a boca sem dores e sofrimentos; ao passar pelas injeções subcutâneas com o gás, sentirá imediatamente uma ótima sensação de alívio e conforto. Isso é apenas um dos muitos exemplos de como a Ozonioterapia pode, literalmente, mudar a vida de muitas pessoas. Se pensarmos no gel e na própria água ozonizada, as possibilidades são praticamente infinitas, o que nos faz pensar ser fundamental termos uma página específica para o tratamento da Dor com Ozonioterapia aqui no blog da Clínica Adriano Abreu.
  • Ação regeneradora: o Ozônio possui uma propriedade importantíssima que é otimização da oxigenação das células e tecidos, o que é uma espécie de “respiro” para nossas células, dando mais vitalidade e vigor, como se fosse, mais uma vez falando bem na linguagem do paciente, uma “turbinada” nesses tecidos. E oxigenação e vitalidade dos tecidos combina com que? Rejuvenescimento! E neste ponto o futuro e o presente da Odontologia se encontram! Talvez você ainda não saiba, mas a ciência do sorriso evoluiu imensamente nos últimos anos, e certamente você já deve ter ouvido falar na famosa Harmonização Facial. Hoje em dia, o dentista não só cuida dos dentes das pessoas, mas dos lábios, boca e de todo o rosto, podendo também fazer tratamentos estéticos de rejuvenescimento e harmonização do rosto com procedimentos mais que consagrados como as aplicações Botox® (toxina botulínica), Peelings e até procedimentos mais complexos no rosto como bichectomia e fios de sustentação. A ação regeneradora da pele pela Ozonioterapia é comprovada cientificamente e além de agir diretamente na revitalização das células, o Ozônio em gel ou até mesmo a água ozonizada ajudam o dentista a “preparar” a pele do rosto para receber o tratamento, o que otimiza o procedimento e ainda potencializa os resultados. Ou seja, se você quer que seu tratamento de rugas como o Botox seja mais efetivo, eficiente e duradouro, a combinação deste tratamento com a Ozonioterapia é um casamento perfeito!

O que é o Ozônio?

Antes de entender o que é Ozônio, precisamos lembrar das nossas antigas aulas de química do colégio e lembrar que o ar que respiramos possui duas moléculas de Oxigênio, o famoso O2, enquanto o Ozônio possui três moléculas de Oxigênio, portanto é o O3. Trata-se um gás altamente reativo e riquíssimo em possibilidades quando falamos em oxigenação das células, mas ao mesmo tempo que possui inúmeras e complexas aplicações na saúde humana, é um elemento químico extremamente simples, composto por apenas 3 moléculas de Oxigênio, e que existe em abundância na natureza. Onde? Ora, basta lembrar da famosa camada de ozônio. Enquanto muitos remédios para serem efetivos contra a dor, inflamações, infecções ou para promoverem revitalização das células precisam possuir inúmeros elementos sintéticos, a Ozonioterapia pode e deve ser considerada uma alternativa incalculavelmente mais natural para muitos tratamentos. A Ozonioterapia não é feita através de drogas, mas sim com biomoléculas, o que é inegavelmente menos agressivo ao organismo, porém, é muito importante deixar claro que os tratamentos com Ozônio não substituem remédios ou tratamentos tradicionais, mas sim os complementa, otimizando sua ação e potencializando resultados.

Existem riscos ou contraindicações? É seguro?

Como se diz na sabedoria popular, “a diferença entre o remédio e o veneno é a dose!”, e o Ozônio se inalado diretamente por uma pessoa é tóxico, porém, você pode ficar totalmente tranquilo porque as dosagens na Ozonioterapia são mínimas, e por menores que sejam, são sempre controladas pelo dentista. Além disso, ao entrar em contato com o corpo, o Ozônio transforma-se em Oxigênio. Por menores que sejam os riscos, vale ressaltar que somente um profissional habilitado pode trabalhar com o Ozônio.

A Ozonioterapia já possui homologação tanto pelo CFO – Conselho Federal de Odontologia (desde 2015), quanto pelo CRM – Conselho Federal de Medicina. Tendo seus primeiros estudos de seus benefícios na Odontologia datados de 1934, realizados pelo cirurgião-dentista Edward Fisch, mas foi somente entre o fim de século XX e começo do século XXI que seu adventos nos consultórios odontológicos se concretizou.

Para finalizar, ainda falando sobre segurança, a Ozonioterapia é na verdade sinônimo de segurança, pois ao possuir propriedades antimicrobianas, o Ozônio cai como uma luva nos tempos atuais de pandemia, onde a higienização e a prevenção de infecções tornou-se, de fato, questão de vida ou morte. Por isso, a partir de agora não procure apenas por um dentista para cuidar da sua saúde bucal, mas sim procure um dentista que trabalhe com Ozonioterapia na sua cidade!

 

Gerador de Ozônio Medplus MX

 

 

 

Biosegurança, controle da dor, conforto para o paciente, agilidade e eficiência nos tratamentos odontológicos. Tudo isso é possível de alcançar com a chamada Ozonioterapia, técnica que transforma o oxigênio em Ozônio, gás que é um verdadeiro coringa na área da saúde, possuindo propriedades que vão desde a ação microbiana, agindo muito bem no controle de infecções até ação analgésica e anti-inflamatórias.

A Ozonioteria veio para ficar e o uso do ozônio tem revolucionado não só a odontologia, mas toda a área da saúde. Porém, em resumo de uma forma bem simples: o ozônio é uma espécie de oxigênio “turbinado” que ao entrar nas nossas células promove maior oxigenação, melhorando o fluxo sanguíneo, fazendo com que nosso organismo flua melhor. Na odontologia, as aplicações são praticamente infinitas, pois todos os procedimentos são otimizados com a técnica, desde uma simples profilaxia dental de rotina até cirurgias mais complexas de implantes dentários.

O mercado oferece muitas opções de equipamentos que transformam oxigênio em ozônio, mas entre todas as possibilidades, não poupamos esforços em escolher a melhor delas: o Gerador de Ozônio Medplus Mx. Por que escolhemos esta tecnologia? Primeiramente por sua fabricação nacional e pela tradição de qualidade da marca. Porém, os principais recursos que nos fizeram decidir por este equipamento específico foram:

– Flow Control: regulagem automaticamente do fluxo feita através de sensor de pressão e de forma computadorizada, o que dá mais precisão na aplicação da dosagem certa de ozônio para cada situação específica,

– Catalizador interno: controla o excesso de ozônio dando mais segurança para o mais paciente.